Os impactos dos fogos de artíficio sobre o meio ambiente

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Os impactos dos fogos de artíficio sobre o meio ambiente

Mensagem  otto em 16.01.11 11:03

What a Face
pessoal,

Leiam abaixo sobre os impactos dos fogos de artíficio sobre o meio ambiente.

Citação:

"Os impactos dos fogos de artíficio sobre o meio ambiente
(*) Vininha F. Carvalho
Sessenta e três anos depois da assinatura da Declaração Universal dos
Direitos Humanos, o mundo necessita de uma nova declaração universal,
desta vez de obrigações humanas, tanto dos indivíduos quanto dos
estados, a fim de deter a progressiva deterioração do ambiente de nosso
planeta.
Quando mencionamos uma sociedade muito pouco ecológica, falamos de um
sistema capaz de destruir recursos naturais, sem se preocupar com a
enorme biodiversidade nele existente. Vivemos no século XX um verdadeiro
período de destruição em massa de animais e viveremos neste século XXI
outro ciclo de destruição em massa agora de seres humanos, se algo não
for feito para mudar nosso padrão de relacionamento com o meio ambiente.
Enquanto o homem não aprender a preservar o que é bom e necessário para
sua própria vida, será muito difícil haver, de uma forma eficaz, a
efetuação em massa da conservação de bens coletivos. É válido lembrar
que coletivo não deveria ser encarado como sendo somente a natureza, mas
também o meio urbano, que é coletivo a todos, afinal, somos nós quem o
construímos e modificamos.
Na vida, só existem processos. Os seres e objetos são apenas a parte
aparente desses processos. E todos eles (os processos), além de não
terem origem, não tem fim (vêm do infinito e vão para o infinito, em
constante movimento e transformação). Os seres que surgiram na água (as
primeiras formas de vida na Terra teriam surgido na água) evoluíram para
os peixes, plantas aquáticas etc. Os que experimentaram a vida fora da
água evoluíram para os répteis, batráquios, anfíbios etc. Os que se
adaptaram à vida fora da água evoluíram, no mesmo atrito com a natureza,
só que muito mais hostil, para as formas que aí estão, das aves aos
mamíferos, incluindo a espécie humana.
Tais processos duram bilhões de anos, acontecem no atrito constante
entre a espécie e a natureza, pela sua sobrevivência, e que garante a
evolução. Toda matéria orgânica, para poder sobreviver, precisa
reconhecer e entender a mensagem da mãe natureza, do contrário
sucumbe diante das suas reações. Não há nenhuma matéria orgânica viva,
no planeta, que não tenha um mínimo de entendimento de sua realidade
ecoambiental. Até mesmo o mais primário dos vegetais dispõe de grau
mínimo de entendimento , do contrário não teria se adaptado e já teria
desaparecido, como aconteceu com várias formas de vida.
Talvez seu cachorro corra até a porta quando você está para chegar em
casa. Perceba com antecedência a aproximação de uma tempestade e fique
desesperado quando ocorre a queima de fogos de artifício. Este
"entendimento", que pode ser considerado por alguns como sexto
sentido , precisa ser devidamente pesquisado e compreendido pela humanidade.
As pessoas são muito manipuladas pelo interesse econômico e não
conseguem enxergar as coisas claramente. Vemos nos dias atuais,
discursos bonitos em prol da preservação ambiental,que não saem do
papel.Precisamos por em prática um novo modelo de desenvolvimento,
abarcando um nova postura, onde haja a preocupação com a biodiversidade,
incluindo aqui, obviamente, o ser humano.
As mortes em massa de animais nos Estados Unidos na virada do ano
detonaram uma onda de especulação sobre as causas dos episódios.
Primeiro, 3 mil pássaros negros caíram do céu na pequena cidade de Bibi,
no Arkansas. Todos os pássaros apresentavam hemorragias, além disto foi
registrada a morte de 100 mil peixes no rio Arkansas. Mais ao sul, no
Estado da Louisianna, outros 500 passarinhos caíram dos céus. Alguns
apresentam asas e espinhas quebradas. A análise dos profissionais
competentes descartou sinais de infecções ou de doença contagiosa. Foi o
que constatou a autópsia realizada pelo Instituto Nacional de
Veterinária (SVA, em sua sigla em sueco) em cinco aves.
Dezenas de pássaros,também, foram encontrados mortos nas ruas da
localidade sueca de Falköping. Veterinários estão agora a analisar a
causa da morte das gralhas-de-nuca-cinzenta, mas assinalam a existência
de um espectáculo de fogo de artificio, próximo do local onde os
pássaros foram encontrados.
As autoridades dizem que o tempo frio, as dificuldades em encontrar
comida e um possível susto devido ao fogo de artificio podem ter causado
stress nos pássaros que morreram. Nos últimos dias seguintes têm sido
frequentes as notícias acerca de morte massiva de pássaros.
Os biólogos estão a investigar a causa da morte dos pássaros no
Arkansas. Cientistas acreditam que o estresse causado por fogos de
artifício do Ano-Novo pode ter causado a morte dos pássaros. As dezenas
de pássaros que apareceram mortos nas ruas da cidade sueca de Falköping
morreram devido a hemorragias internas provocadas por "trauma físico
extremo", informaram na quinta-feira,(6/1), as autoridades do país nórdico.
No Brasil, técnicos do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), órgão ligado
à Secretaria Estadual do Meio Ambiente, do Centro de Estudos do Mar da
Universidade Federal do Paraná (CEM-UFPR) verificaram que na
segunda-feira (3/1), milhares de peixes apareceram mortos no local. Os
técnicos aguardam o resultado do laudo para confirmar o motivo da
mortandade dos animais. Entretanto, segundo informação do capitão Edson
Oliveira, coordenador regional no Litoral da Defesa Civil, ao que tudo
indica os peixes não estão mais morrendo.
Comemorações com fogos de artifício são traumáticas para os animais,
cuja audição é mais acurada que a humana e segundo pesquisas são capazes
de pressentir eventos sísmicos importantes. Devido a ocorrencia dos
fogos de artíficio, os cães latem em desespero e, até, enforcam-se nas
correntes. O gatos têm taquicardia, salivação, tremores, medo de morrer,
e escondem-se em locais minúsculos, alguns fogem para nunca mais serem
encontrados. Há animais que, pelo trauma, mudam de temperamento.
Em nome de uma comemoração da chegada do Ano Novo, em nome da paz, o ser
humano atrita com a natureza, que emite sua resposta implacável. No
Brasil, a passagem de ano era considerada como uma uma festa de cunho
religioso e frequentada por moradores de Copacabana e devotos. Desde
meados da década de 80 do século passado com a sofisticação, adesão dos
hotéis da orla da praia de Copacabana e o apoio das autoridades, o
Reveillon de Copacabana transformou-se num dos principais eventos de
final de ano do mundo, recebendo mais de 2 milhões de pessoas que juntos
celebram o novo ano e a paz.
Neste réveillon a queima de fogos no Rio de Janeirodurou mais de 20
minutos. Muitas outras cidades brasileiras , também, promoveram este
tipo de evento. Os shows da virada de ano ao redor do mundo, foram
marcados com a queima de fogos de artifício em Sydney ( Australia),
Tokyo( Japão),(Ahmedabad) India, Times Square(Nova Iorque), (Hong Kong)
China, Petersburg( Russia) , Edimburgo ( Escocia) , Karachi (Paquistão),
Londres ( Pasquitão), entre outros.
Quinze tremores de terra de diversas intensidades atingiram na
quarta-feira, 5 /1 o centro e o sul do Chile, mas sem deixar vítimas ou
danos materiais. A informação foi divulgada pelo Instituto de Geofísica
da Universidade do Chile, que indicou que apenas três terremotos
ultrapassaram os quatro graus de magnitude na escala Richter. O primeiro
deles, com magnitude de 4,2 graus, aconteceu às 4h05 da hora local (5h05
de Brasília), com epicentro a sete quilômetros ao norte de Tirúa, na
região de Bio Bio, e a 25,6 quilômetros de profundidade.Um novo sismo,
que chegou à magnitude de 4,4 graus na escala Richter, ocorreu às 16h35
da hora local (17h35 de Brasília) na zona central do Chile, com
epicentro a 44 quilômetros ao oeste da cidade de Los Andes, vizinha a
Santiago, e a 68 quilômetros de profundidade.
O último dos maiores sismos, de 4,2 graus de magnitude, aconteceu às
22h43 da hora local (23h43 de Brasília), com epicentro a 31 quilômetros
ao sul da cidade de Iquique e a 43,6 quilômetros de profundidade.No
domingo, 2/1, um terremoto de 6,9 graus na escala Richter, com várias
réplicas, fez os chilenos lembrarem a catástrofe de 27 de fevereiro de
2010, quando um sismo de 8,8 graus devastou parte do centro e do sul do
país.
O Conselho Nacional de Investigação Científica e Técnica (CONICET)
afirmou que o Nahuel Huapi, localizado na cidade turística de Bariloche,
após o sismo no Chile, apresentou uma faixa de águas claras, que se foi
expandindo até cobrir mais da metade da superfície.Cientistas argentinos
atribuiram o fenômeno à suspensão de camadas de sedimentos deslocadas
pelo terremoto, mas não descartam novas hipóteses.
O fenômeno chamou a atenção de especialistas, mas também de curiosos e
fiéis, pois histórias de nativos dizem que nas águas azuis do lago, com
cerca de 500 metros de profundidade, vive uma espécie de animal
misterioso, uma versão latino-americana de monstro do lago Ness, da Escócia.
O Nahuel Huapi está localizado a 600 000 quilômetros de Buenos Aires, no
sopé da Cordilheira dos Andes, na fronteira com o Chile, onde no domingo
passado aconteceu um terremoto de 6,9 graus na escala Richter.
Dois terremotos de média intensidade atingiram o Irã no sábado
(8/1),deixando um número inda indefinido de vítimas e consideráveis
danos materiais na província de Fars, no sul do país, informou a
emissora de televisão estatal.
Segundo a fonte, os tremores foram sentidos às 3h54 da hora local (22h24
de sexta-feira pelo horário de Brasília), e atingiram 5 e 5,1 graus na
escala Ritcher. Equipes de emergência e de socorro foram enviadas à zona
para atender a população, acrescentou a fonte. Estas regiões do sul e do
leste do Irã foram abaladas durante os últimos dias por uma alta
atividade sísmica, com terremotos nas cidades de Zahedan, Bam, Jash e
Iranshahr.
Os 950 desastres naturais de 2010 deixaram 295 mil mortos e causaram um
prejuízo de US$ 130 milhões. A quantidade de desastres é muito superior
à média dos últimos trinta anos, que é de 615 casos, afirmou nesta
segunda-feira a seguradora alemã Munich Re. Destes 950, nove décimos
foram eventos climáticos como tempestades e inundações.
Um dos terremotos mais devastadores na história dos últimos 100 anos foi
o do Haiti, que aconteceu em 12 de janeiro de 2010, matou mais de 220
mil pessoas e resultou em uma tragédia humana de uma escala
impressionante. Apenas o terremoto de Tangshan, na China, em 1976, matou
mais pessoas (242 mil).
Cinco centenas de vezes mais energia do que no terremoto do Haiti foi
liberada pelo terremoto que atingiu o Chile pouco mais de um mês depois.
Com perdas totais de US$ 30 bilhões, o tremor de fevereiro no Chile foi
a catástrofe mais cara do ano passado. O Chile é um país com construções
preparadas para a alta exposição a terremotos. Como resultado, houve
relativamente poucas vítimas humanas, apesar da gravidade do terremoto -
o quinto mais forte já medido.
Este total torna 2010 o ano com o segundo maior número de catástrofes
naturais desde 1980 (ano a partir do qual existem dados sobre as
catástrofes), sensivelmente superior à média anual para os últimos dez
anos, que é de 785 eventos por ano.
O tema da paz é parte inerente essencial da luta por um outro mundo
possível, justo, humano e pacífico, coincidência ou não , é preciso
aprofundar os estudos referentes aos impactos dos fogos de artifício no
meio ambiente. A morte vinda dos céus , representada pelos pássaros e no
outro extremo, a morte dos peixes , pode ser um alerta sobre a
incidência dos terremotos, que estão sendo registrados com maior
freqüência no primeiro trimestre do ano novo.
O Brasil conta com tudo para ser o pioneiro de uma civilização
ecologicamente sustentável, dispensando este tipo de comemoração que
envolve os fogos de artifício, tão perigosa para a natureza, vamos dar
nosso bom exemplo, enquanto é tempo"!


(*) Vininha F. Carvalho - jornalista, economista, administradora de
empresas, ambientalista. Presidente da Fundação Animal Livre (em
http://www.animalivre.org.br )


Esta página foi exportada de Ambientebrasil - Notícias [ http://noticias.ambientebrasil.com.br/?p=65121 ]


affraid

_________________
Visitem os meus projetos opensource:
aptosid Brasil sobre o debian sid gnu linux em http://www.aptosid.com.br
siduction Brasil em http://portal.siduction.com.br/
Mageia Linux em http://mageiadobrasil.com.br/forum/index.php
avatar
otto
Administrador do forum
Administrador do forum

Mensagens : 425
Data de inscrição : 13/10/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os impactos dos fogos de artíficio sobre o meio ambiente

Mensagem  D. K. em 17.01.11 17:03

Caramba... E eu que gostava de assistir, na passagem do ano, a queima dos fogos, aqui na praia (claro, não duram como os do Rio, mas são cerca de 10 minutos) - sem saber disso aí...
Tem uma passagem aí no texto muito importante, que deveria servir como uma advertência pro animal humano:
Vivemos no século XX um verdadeiro período de destruição em massa de animais e viveremos neste século XXI outro ciclo de destruição em massa agora de seres humanos, se algo não for feito para mudar nosso padrão de relacionamento com o meio ambiente.
Para guardar!
Rolling Eyes

_________________
Seja íntegro: não faça as coisas pela metade. Não preserve apenas o meio ambiente, preserve todo ele!
Seja livre: use Linux Mageia! Veja mais em Mageia Brasil
avatar
D. K.
Moderador
Moderador

Mensagens : 571
Data de inscrição : 24/10/2010
Idade : 63
Localização : Espírito Santo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum